|    home
  Bem-vindo!

Busca artigos por palavra chave




29/03/2011
 

Comportamento

 

Segredo revelado

 

Eliana Barbosa é escritora e conferencista motivacional

Foto: Divulgação

 

A escritora, conferencista motivacional e especialista em técnicas que promovem o desenvolvimento integral do homem, Eliana Barbosa, parece estar sempre de bem com a vida.  Aliás, esta é justamente sua meta: ensinar às pessoas a busca do positivismo para alcançarem autoconfiança, autodesenvolvimento e resgatar a autoestima. Segundo ela, o resultado é obtenção de bons relacionamentos e uma vida plena e deliciosa. A vivência de suas próprias técnicas a levaram a alguns caminhos. Um deles é ser articulista de jornais e revistas. Inclusive, assina a coluna Papo Cabeça da Revista Malu. Também atua como produtora e apresentadora de programas motivacionais de Rádio e TV. Como se tudo isso não bastasse, escreveu três livros: Acordando para a vida – Lições para sua transformação interior, O Enigma da bota – Enfrentando a sucessão empresarial com equilíbrio e sabedoria e Cara a Cara com alguém muito especial – Histórias e lições inspiradoras para você se conhecer... e vencer! Todos os livros foram publicados pela Editora Novo Século. Ela, ainda, ministra palestras e cursos por todo o país, que segundo diz: “São transformadores”. Foi com todo este dinamismo que deu a seguinte entrevista para a revista Divina Proporção.Com.

Divina Proporção.Com – Você escreveu um artigo: O segredo dos relacionamentos bem-sucedidos. Então, qual é o segredo?

Eliana Barbosa – O grande segredo dos relacionamentos bem sucedidos (daqueles que, mesmo debaixo de tantas turbulências naturais do viver), ainda sobrevivem e se reabastecem de amor e esperança,  é aprimorar a autoestima de cada parceiro. Quando uma pessoa está bem com a sua autoimagem, quando ela se aprecia e se aceita como é, esse sentimento fica exposto no seu jeito de ser, de falar, de andar, de sorrir e, é claro, faz com que o seu parceiro veja o mesmo que ela está sentindo. É muito ruim para um relacionamento quando uma pessoa fica se depreciando, mostrando para o outro, por exemplo, que engordou, que está ficando enrugada, que está incomodada com algum defeito físico ou moral que possua. Isso demonstra baixa autoestima e ninguém valoriza quem não se valoriza.  Além deste grande segredo que se chama autoestima, existem outros detalhes que são fundamentais para a felicidade a dois:

1) A individualidade de cada cônjuge deve ser valorizada, sabendo que o casal é formado por duas pessoas inteiras, que se uniram não para se completarem – porque são inteiras –, mas para caminharem juntas em direção a um objetivo comum.

2) Os hábitos de cada um devem ser respeitados, bem como é preciso compreender as naturais dificuldades de adaptação.

3) O clima de romantismo do namoro deve ser mantido com flores, bombons, bilhetinhos (de preferência ousados), telefonemas carinhosos, que são temperos que garantem o sabor de estar e ser bem casado.

4) Se algo não estiver agradando no relacionamento, para evitar as discussões que distanciam o casal, a minha dica é que os cônjuges adquiram o hábito de escrever suas reclamações em um caderno do casal, que deve ser conferido por cada um, todos os dias, e depois, conversarem a respeito.

5) Sonhos, planos e metas podem ser individuais (para a vida pessoal e profissional), mas devem ser estabelecidos juntos quando dizem respeito ao casal, tornando, assim, a vida a dois mais estimulante e feliz.

Divina Proporção.Com –  E quando um dos cônjuges sofre de baixa autoestima e não tem jeito de curar?

Eliana Barbosa – O sucesso de um casamento depende sempre dos dois e é preciso deixar claro que ninguém muda ninguém. Se a outra pessoa prefere ficar na posição de vítima, siga em frente com a sua transformação interior e jamais abra mão do seu crescimento. A partir do momento que você começar a mudar sua postura de vida e a cuidar de você, aos poucos, tudo à sua volta começará a mudar também. O que você não pode fazer é perder o seu tempo tentando mudar a outra pessoa.

Divina Proporção.Com –  Em sua opinião, o orçamento familiar equilibrado ou ter muito dinheiro ajuda no relacionamento bem sucedido do casal?

Eliana Barbosa – Eu acredito que facilita bastante a vida a dois, porque um dos maiores motivos das brigas no casamento é a falta de dinheiro.

Divina Proporção.Com –  Após uma traição, é possível reconstruir a vida a dois de maneira favorável e feliz?

Eliana Barbosa – Sempre acredito nas possibilidades, porque cada casamento tem suas peculiaridades. A verdade é que é preciso muita disposição para o perdão da parte de quem sofreu a traição, mas em questões de amor, tudo é possível. Se houver arrependimento franco de um lado e perdão sincero do outro, creio que, com muito amor e extrema paciência, possa se conseguir reconstruir a vida a dois. Claro que os parceiros nunca mais serão os mesmos, mas, com certeza, estarão muito mais amadurecidos e preparados para viver uma vida de harmonia e livre de ilusões.

Divina Proporção.Com–  Apesar de desejados, os filhos influenciam na vida conjugal?

Eliana Barbosa – Sim, filhos influenciam muito na vida conjugal, e de forma negativa, principalmente quando um dos cônjuges coloca os filhos acima de tudo na família. Já vi muitas mulheres dizerem: “Ah..., meu filho é tudo na minha vida!”. Imagine o que pensa um marido quando ouve isso? Na verdade, se essa mulher tivesse uma boa autoestima, e quisesse colocar ordem em seus sentimentos, o correto seria colocar a si mesma em primeiro lugar. Depois o companheiro que lhe deu aquele filho e depois o seu tão amado rebento. Mas o que vemos são mães (principalmente as mães) jogarem muita responsabilidade nas costas dos filhos e isso geralmente não acaba bem. Outra influência dos filhos que o casal precisa tomar cuidado diz respeito à sua privacidade. A meu ver, se há amor em um casamento e a vontade de continuar a união, a privacidade do casal é sagrada. Os pais precisam ensinar esses valores aos seus filhos. Senão, quanto mais eles crescem, mais eles irão influenciar negativamente na vida a dois. É triste, mas é o que vemos todos os dias.

Divina Proporção.Com–  Você conhece casais que saíram do nada para uma vida financeira estável e abundante e depois tiveram que se separar justamente por isso?

Eliana Barbosa – Eu conheço histórias que li a respeito. Isso também acontece, infelizmente.

Divina Proporção.Com–   Por que isto acontece?

Eliana Barbosa – Quando o casal tem uma vida mais abastada, as pessoas costumam apontar o excesso de dinheiro como a causa dessas crises conjugais.  Mas, se olharmos bem fundo, o problema não é o dinheiro. Mas, sim as pessoas que não sabem lidar com o dinheiro. Isso acontece em casamentos em que os bens materiais são mais valorizados do que as pessoas e os sentimentos. Neste caso, com dinheiro ou sem dinheiro, nenhuma relação afetiva pode ser feliz. Isto acontece com pessoas que não têm estrutura emocional para lidarem com a riqueza financeira em suas vidas.

Divina Proporção.Com–Quais as crises mais comuns entre os casais e como superaram e mantiveram o casamento?

Eliana Barbosa – As crises mais comuns entre os casais se relacionam à falta de autoestima de um ou de ambos os cônjuges. Com isso, aumentam o medo de abandono ou rejeição, à dificuldade de comunicação, os modos diferentes de ver a vida e seus valores, e os problemas como ciúme, infidelidade, alcoolismo e violência doméstica. Existem períodos de mudanças na vida do casal que são mais vulneráveis e propensos às crises. Muitos casais enfrentam bem tais períodos. Porém, outros, se veem diante de grandes desafios para a continuidade do casamento. As crises previsíveis para serem evitadas: a) Início do casamento: é aquela fase de adaptação de cada cônjuge. É um período que requer muitas negociações, tanto das questões ligadas ao casal, como aos amigos, às suas famílias e ao trabalho.

b) Nascimento do primeiro filho: é quando a vida do casal precisa se adaptar a uma vida em família. Nesta fase, os cônjuges precisam entrar em um acordo sobre dividir tarefas domésticas, de educação dos filhos e financeiras.

c) Problemas com filhos adolescentes: nesta fase, o casal precisa estar muito bem sintonizado, para que os filhos adolescentes não consigam colocar um parceiro contra o outro através de manipulações e chantagens emocionais.

d) Meia-idade: com os problemas de deficiência hormonal que afetam quase todas as mulheres e alguns dos homens também, esta fase pode trazer muitos desgostos para a relação, principalmente pela queda do desejo sexual e pelas terríveis oscilações de humor. Outra dificuldade nesta fase é a síndrome do ninho vazio, que é um sentimento de desalento e inutilidade que muitas mulheres sentem quando os filhos saem de casa para cuidarem de suas próprias vidas. Nesta fase acontece também, a aposentadoria, que em invés de trazer alegria e descanso, pode trazer depressão. Para que o casamento resista à crise da meia-idade, é necessário que o casal volte a dar mais atenção ao relacionamento, e aproveite o momento para retomar projetos de vida adiados, planejar viagens e passeios a dois, buscar meios de resgatar o amor que sobreviveu a todas as intempéries, por todos esses anos.

e) Velhice: a maiordificuldade é aceitar as limitações impostas pela idade avançada. Isso traz muita frustração para cada um dos cônjuges. Principalmente, quando um depende da companhia do outro e, acaba por se sentir um peso no relacionamento. O importante para suportar as dificuldades dessa fase é a aceitação. Aquilo que não pode ser mudado deve ser aceito. Aceitação traz paz interior.

Além dessas crises no casamento, que podem ser previstas (e evitadas), existem algumas outras que vão aparecendo ao longo da vida a dois:

Acidente ou morte de um filho: isto pode desestabilizar a relação, principalmente quando há o fator culpa. Se o casamento já não andava bem, essa crise pode ser fatal para a união. Por outro lado, se for um casamento de muito amor e compreensão, este pode ser o momento dos cônjuges se unirem em um objetivo comum: a superação da dor.

Perda de emprego de um dos cônjuges: afeta muito a autoestima da pessoa. É preciso um grande estoque de amor e paciência para lidar com essa situação e, principalmente, otimismo para acreditar e visualizar o melhor.

Um cônjuge se desenvolveu mais do que o outro: pode ser motivo para o parceiro seguir o modelo do outro e avançar. Mas em outros casos, quando no casamento há competição em vez de cooperação, pode ser a causa de distanciamento do casal.

Quando um parceiro que nunca impôs limites se cansa de não receber reconhecimento  e resolve dar um basta naquela situação – está cansado de dizer sim para o outro e só ouvir não para si mesmo. Essa é a hora de reavaliar suas vontades e prioridades e saber se o outro aceita agora viver com uma pessoa que sabe se valorizar.  

Divina Proporção.Com– Qual o conselho para uma vida a dois saudável e feliz?

Eliana Barbosa – Para uma vida a dois saudável e feliz, o principal é, claro, o amor. Mas que fique claro também, que esse amor tem que começar de dentro para fora, ou seja, primeiro o seu amor-próprio, e depois o seu amor pela outra pessoa, pelo seu cônjuge. A única forma de você ser realmente respeitado é você se mostrar respeitoso com a pessoa mais importante da sua vida; você mesmo! Dessa forma, na vida em comum, conte seus sucessos, demonstre seu valor, e, em vez de passar anos frustrado esperando elogios, elogie-se primeiro, e saiba que ninguém nasceu neste mundo para agradar aos outros. Você só deve dizer sim para as outras pessoas quando o seu coração pedir um sim, mas jamais traia seus sentimentos pensando que agradará as outras pessoas e lhe garantir amor e respeito. Relacionamentos felizes têm também seus momentos de crise. Mas com cônjuges emocionalmente amadurecidos e que se amam, tornam-se apenas momentos de novas experiências que vão fortalecer o amor e o respeito entre eles.

Divina Proporção.Com–  Você quer acrescentar mais alguma informações sobre o assunto?

Eliana Barbosa – Quero acrescentar sete dicas importantes para evitar decepções amorosas:

1) Fortaleça sua autoestima. Deixe de ser a boazinha ou o bonzinho, e se torne uma pessoa irresistivelmente encantadora, amorosa sempre, porém dona das suas vontades e preferências, autoconfiante e líder de si mesma.

2) Jamais abra mão de sua vida só para agradar outra pessoa. É justamente nesse tipo de atitude que você mais se desvaloriza diante do outro.

3) Nunca busque na outra pessoa um salvador ou um remédio para as suas carências afetivas. Ninguém suporta conviver muito tempo com quem faz parte do “clube dos coitadinhos”, e, em pouco tempo, você estará novamente sozinha.

4) Ainda que você seja muito apaixonada, em nome de seu amor próprio, nunca demonstre medo de perder a outra pessoa, pois a ausência desse medo vai tornar você mais interessante para ela.

5) Pare de colocar todas as suas expectativas na outra pessoa. Idealizações a respeito do amor geralmente são muito perigosas.  Não é o outro que pode melhorar a sua vida. É você!

6) Jamais veja a outra pessoa como a sua única fonte de felicidade.

7) Enfim, preocupe-se primeiro com a maneira como você se trata e depois com a maneira como você trata os outros. Se não quiser sofrer decepções pela vida afora, lembre-se: Você está onde você se coloca!

 

 

 


Publicado por: Divina Proporção
versão para impressão    Envie esta matéria para amigos!

Publicidade
 
© 2015 Divina Proporção, Todos os Direitos Reservados | webmaster
desenvolvido por: Siglobal