|    home
  Bem-vindo!

Busca artigos por palavra chave




13/04/2011
 

Gastronomia

 

Chocolate: gostinho de quero mais.

 

A páscoa tem vários símbolos, mas nenhum com um sabor tão especial quanto este. Para sair fora do convencional, uma receita de terrine exclusiva do Buffet Patê Maison. E, ainda, as considerações das nutricionistas Pollyanna Oliveira e Karina Barros sobre esta delícia chamada chocolate.

Foto: Divulgação

Receita exclusiva do Buffet Patê Maison

 

Por centenas de anos, o processo de fabricação do chocolate permaneceu o mesmo. Após a Revolução Industrial, muitas mudanças ocorreram e trouxeram o alimento para a forma em que o conhecemos hoje. No século XVIII, máquinas de espremer manteiga de cacau foram criadas. Isso ajudava a fazer um chocolate mais consistente e durável. A partir daí, o consumo do produto foi se popularizado e se espalhou pelo mundo todo. No Brasil, segundo dados da Target Group Index, ferramenta do IBOPE Mídia, a Bahia é o estado que mais consome o doce, seguido por São Paulo, Minas Gerias  e Ceará.

Muito antigo, no passado, o chocolate era usado apenas como bebida. A civilização maia cultivava o cacau. Das sementes, estraia uma bebida amarga. Ela era temperada com baunilha e pimenta. Assim, era o chocolate. Resíduos do produto encontrados numa peça de cerâmica maia de Río Azul, na Guatemala, sugerem que já era conhecido por volta do ano 400 d.C.

Em novembro de 2007, arqueólogos encontraram vestígios de uma plantação de cacau datada de 1.100 a 1.400 a.C., em Puerto Escondido, Honduras. Documentos a respeito dos hieróglifos maias dizem que o chocolate era usado tanto para fins cerimoniais como no cotidiano.

Só no século XVI, os europeus,  foram apresentados a esse grão. Para acompanhar a demanda da novidade, o exército espanhol começou a cultivar o cacau em plantações na América, usando o trabalho de escravos nativos. Na Europa, apenas a realeza e os abastados podiam se dar ao luxo de consumir o caro produto importado.

O chocolate no Brasil

Várias fábricas se instalaram no Brasil. Entre elas: Nestlé, Cacau Show e Lacta. Outra peculiaridade do produto, é que a Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP desenvolveu um chocolate à base de cupuaçu.

Encontrado em tabletes, barras, gotas, raspas, ovos não importa o formatoou as versões como chocolate branco, chocolate ao leite, chocolate amargo, ele é sempre bem-vindo.  Mas, segundo a nutricionista ortomolecular Pollyanna Oliveira, o melhor chocolate para a saúde é o meio amargo ou amargo. “Estesdois são os únicos que realmente oferecem benefícios devido a alta concentração de cacau que é rico em flavonóides (potentes antioxidantes). Estas substâncias protegem o corpo dos radicais livres e evitam inúmeras doenças”, diz.

 

Saúde

 

O chocolate é um alimento muito nutritivo. Contém proteínas, gorduras, cálcio, magnésio, ferro, zinco, caroteno, vitaminas E, B1, B2, B3, B6, B12 e C.  O consumo moderado do produto preto e amargo traz benefícios para a saúde devido à presença de ácido gálico e epicatecina, com função cardioprotetora. Mas a nutricionista alerta: “O chocolate ao leite só tem em sua composição gordura e açúcar. Nada de especial para agregar à saúde”.

Apesar do chocolate ser geralmente consumido por prazer, há alguns efeitos positivos em seu consumo. Um deles é a melhoria do sistema circulatório. E ainda as propriedades anticancerígenas, estimulantes cerebrais e a capacidade de curar diarreias.

Por outro lado, como é altamente energético, aumenta o risco de obesidade, se muito consumido. “E, os que não são amargos têm muita concentração de gordura e açúcar, que são extremamente prejudiciais à saúde”, diz ela.

 

Estudos recentes sugerem que ocorre uma pequena diminuição na pressão sangüínea após o consumo diário do chocolate amargo. Muitos o consideram afrodisíaco, qualidade geralmente associada ao simples prazer sensual de seu consumo.  “A explicação científica é que a natureza doce e gordurosa do chocolate estimula o hipotálamo, e induz a sensações prazerosas, e assim eleva o nível de serotonina”, conclui.

 

Chocolates Diet e Ligth

 

Hoje, nos supermercados ou em lojas de chocolates finos existe uma gama variada destes produtos para todos os consumidores, incluindo os diabéticos, os que fazem dieta e até os mais naturalistas. No entanto, muita gente esbarra na falta de informações e acaba abusando no consumo do chocolate. A nutricionista da ABIAD – Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Para Fins Especiais e Congêneres, Diet e Light, Karina Barros, diz que o chocolate dietético foi desenvolvido para diabéticos que não podem ingerir açúcar. Este, então, é substituído por adoçantes artificiais. Segundo ela, o valor calórico de um ovo de chocolate diet permanece alto devido ao teor de gordura.

 

Outra dica é que qualquer alimento rotulado light deve conter redução de pelo menos 30% de algum nutriente, seja caloria, açúcar, gordura, sal, entre outros. Karina adverte que é preciso prestar atenção nos rótulos para se ter certeza de que realmente a redução está no valor calórico. “Uma porção de 30g de chocolate contém aproximadamente 150 kcal e pode ser ingerida de duas  a três vezes por semana sem  correlacionar-se ao aumento do peso corporal”, ressalta.

 

Existem diversos tipos de chocolate no mercado. Contudo, as opções com menor adição de açúcar e sem acréscimo de recheios e nutrientes como leite condensado, amendoim, e outros, contam com uma maior concentração de cacau. Portanto, são mais indicados para quem não quer ganhar peso extra. “Diversos estudos demonstram o benefício à saúde na ingestão de chocolate que contenha acima de 50% de cacau devido a sua função antioxidante. Todavia, temos que lembrar que o chocolate é um alimento calórico e deve ser ingerido em quantidades moderadas”, alerta. 

 

 

Receita exclusiva do Buffet Patê Maison.

 

Terrine de chocolate, doce de leite e banana

 

Ingredientes para o creme

 

50g de gema de ovo

 

30g de açúcar

 

180g de leite integral

 

10g de amido de milho

 

50g de manteiga gelada

 

100g de chocolate com 70% de cacau ou chocolate branco

 

15g  de licor cointreau (apenas para o chocolate 70%)

 

Para a banana

 

6 unidades de banana madura

 

80g de açúcar

 

1 canela em pau

 

100g de doce de leite para corte

 

80g de Pistache laminado

 

Preparo

 

Creme: aqueça o leite, acrescente as gemas já misturadas com o açúcar e a maisena. Volte ao fogo até formar um creme. Adicione o chocolate, leve a batedeira e acrescente o licor e a manteiga aos poucos batendo até esfriar. Reserve.

 

Para o creme de chocolate branco repetir o mesmo processo trocando o chocolate.

 

Para a banana: corte a banana em rodelas e leve ao fogo com açúcar e canela até formar um creme. Esfrie e reserve.

 

Para montar: forre uma forma de terrine com filme de PVC, coloque o creme de chocolate com 70% de cacau, e leve à geladeira por dez minutos. Com ajuda de um saco-puxa coloque uma tira de doce de leite no centro da terrine e cubra com o creme de chocolate branco, leve à geladeira por quatro horas.

 

Para servir: passe uma fina camada de doce de banana e decore com pistache laminado. Sirva bem gelada, e para acompanhar coloque um pouco de calda de frutas vermelhas. No mais: uma ótima páscoa para você e sua família!


Publicado por: Divina Proporção
versão para impressão    Envie esta matéria para amigos!

Publicidade
 
© 2015 Divina Proporção, Todos os Direitos Reservados | webmaster
desenvolvido por: Siglobal