|    home
  Bem-vindo!

Busca artigos por palavra chave




17/06/2011
 

Design

 

Salão Design São Paulo

 

Conheça um pouco mais sobre este evento que está na Oca, dentro do Parque Ibirapuera.

 

Foto:  Divulgação

Cubo Mágico da dupla Saulo Szabó e Ferando Oliviera

 

Pela primeira vez a cidade de São Paulo é palco de um evento internacional inédito sobre Design. Trata-se do Salão Design São Paulo, o primeiro evento de design high-end do Brasil, que alça o mobiliário, a iluminação e os objetos de interior ao status de arte, mostrados através de peças únicas ou edições limitadas. Com a participação de 20 galerias e lojas de design e todas  podem ser adquiridas por colecionadores ou interessados em design.

 

Na quinta (16/06), na mostra que acontece na Oca, no Parque Ibirapuera, a dupla de arquitetos Saulo Szabó e Fernando Oliveira comemorou o prêmio recebido do Top Design Brasil, na categoria Jovens Talentos.

 

Esta primeira edição do evento faz homenagem aos irmãos Campana, com uma exposição de alguns de seus marcantes trabalhos (cadeira café, Jeanette etc). Os protótipos em alumínio e bambu da coleção Blow up que a dupla desenhou especialmente para a Alessi (conceituada loja italiana de design) e que agora estão no Museu da loja na Itália, vem especialmente para o Design São Paulo. Além disso, Humberto e Fernando fizeram uma palestra para contar suas trajetórias e processos criativos.

 

Outra mostra especial é dos designers italiano Maurizio Galante e do israelense Tal Lancman. A dupla traz a exposição “Transversal Design”, que propõe um diálogo entre o design industrial e aquele voltado para a confecção de peças únicas, exclusivas; sugerindo que ambos os formatos podem conviver no dia-a-dia.

 

O evento é uma iniciativa do IN-MOD (Instituto Nacional de Moda e Design), realizado pela Luminosidade, empresa que promove o SPFW, em parceria com um núcleo de profissionais que desenvolveu o formato do Design São Paulo, inspirado em salões internacionais. A curadoria é da Maria Helena Estrada, uma profissional de grande credibilidade e reconhecimento no segmento do design brasileiro.

 

Em Conexões de Economia Criativa, uma programação paralela de seminários e workshops  aprofunda ainda mais o tema do design e seus desdobramentos: além dos Campanas, os designers Rianne Makkink e Fred Gelli participam de mesas redondas durante o evento discutindo temas ligados ao design, como “Design e Arte”, “Gestão do Design” e “Vertentes do Design”.

 

A forma como os objetos do Salão estão expostos também merece destaque: o arquiteto croata radicado no Brasil Marko Brajovic criou uma verdadeira instalação que causa um impacto visual muito grande, e que foge completamente das montagens padrões de eventos. É o design apresentado em formato de design – uma surpresa que deve agradar e contribuir para fazer desta primeira edição um grande sucesso.

 

Economia criativa

 

Durante quatro dias, o espaço da OCA vai ser palco de exposições, workshops, oficinas e debates ligados ao Design. O Design São Paulo, evento criado nos mesmos moldes de grandes salões de designs internacionais, retoma um recente e importante tema sobre “Economia Criativa”.

 

Mas o que é isso afinal? De uma maneira bem resumida, é a economia que não se produz com matérias-primas perecíveis - como petróleo, minerais, gás -, mas sim com valores intangíveis como marcas, design, criatividade e conhecimento.

 

Um exemplo concreto de economia criativa é o evento São Paulo Fashion Week, que impulsiona a economia do país e, atualmente, movimenta R$ 50 bilhões ao ano, gera quase dois milhões de empregos e envolve cerca de 30 mil empresas.

 

“Pretendemos agora lançar nosso foco no Design e pensar neste segmento da mesma maneira que pensamos atualmente a moda”, diz Graça Cabral, diretora da Luminosidade e do IN-MOD, que promove o Seminário Internacional de Economia Criativa, ao lado da economista Lidia Goldenstein e de Lala De Heinzelin, especialista em economia criativa, sustentabilidade e futuros.

 

O In-Mod vem, desde 2007, reunindo lideranças e protagonistas relevantes do mundo político, corporativo e criativo para, juntos, elaborar propostas como estratégia de desenvolvimento para o país. Esses encontros são importantes para disseminar a idéia do que é a Economia Criativa e sua importância no mundo atual.

 

Lídia Goldenstein, uma das maiores especialistas em Economia Criativa do Brasil, comenta sobre o segmento do Design sob esta ótica: “Criatividade e design são sempre associados a questões de estética, aparência e estilo. Mas é muito mais do que isto. É o caminho para competir com produtos e serviços inovadores, com alta qualidade, alto valor agregado. Trata-se de ver o Design no seu sentido mais amplo: da estratégia à produção, embalagens, processos de produção, posicionamento de mercado, comunicação etc.”, diz.

 

A criatividade não pode ser vista como dádiva de alguns privilegiados; ela precisa invadir o pensamento de todos os negócios, serviços públicos, entrar no sistema educacional e ser exigida por compradores de bens e serviços, empresas, setor público ou consumidores. É uma mudança cultural, e o evento espera lançar esta semente.

 

Conexões de Economia Criativa

 

Foram realizadas palestras com  os irmãos Campana. Ele notabilizaram-se pelo design de mobiliário e pela criação de objetos instigantes. Hoje, a escala de seu trabalho cresceu, desdobrou-se em várias mídias e é dirigido a distintos públicos. Fernando e Humberto são solicitados por instituições de arte e empresas e, desde seu início, cultivam parcerias com comunidades brasileiras produtoras de artesanato. Esse diálogo fluído entre os projetos de várias naturezas e dimensões é um dos vetores para o entendimento das criações dos irmãos Campana.

 

Na área de moda, os Campanas assinam a “Coleção Campana” da grife brasileira de jóias H. Stern (2001). Eles mantêm um histórico de colaborações com a marca de calçados e bolsas Melissa, da Grendene e, em 2009, reinterpretaram a tradicional camisa pólo da Lacoste.

 

A habilidade dos designers para compreender a essência de uma marca e a segurança para brincar com as origens dela – além de um inegável sentido de aventura – faz com que os Campanas sejam procurados para reinventar a identidade de grifes globais.

 

No design de interiores, a dupla já desconstruiu e reinventou as lojas Camper em Berlim (2006), Barcelona (2007), Florença (2008), Londres (2008), Nova Iorque (2010) e Zaragoza (2007). Estão redesenhando o Café dês Hauteurs, do Museu d´Orsay (que deve abrir ainda este ano), em Paris, e explorando novas soluções para a ambientação do antigo “Olympic Hotel”, em Atenas. Será o primeiro projeto de um hotel assinado pela dupla. No Brasil, um recente trabalho é a renovação do café bar do Teatro Municipal de São Paulo, bem como alguns projetos residenciais e paisagísticos em andamento na capital paulista.

 

Em seu Estúdio, situado no bairro de Santa Cecília, em São Paulo, a equipe que trabalha com Fernando e Humberto materializa idéias que mais tarde são produzidas por empresas como Edra, Alessi, Artecnica, Bernardaud, Corsi Design, Kreo, Magis, Grendene, Skitsch, Plus Design e outras ‐ quando não pelo próprio estúdio, que assina edições limitadas e numeradas.

 

Nigel Coates. Nascido em 1949, e formado pela Universidade de Nottingham e pela Associação de Arquitetura, o inglês Nigel Coates tem hoje uma carreira de projeção internacional. Seu espírito chamou a atenção do público pela primeira vez em 1984, quando publicou na Revista NATO (Narrative Architecture Today) um manifesto para uma arquitetura narrativa socio-culturalmente engajada e popular.

Coates explora o potencial comunicativo e de experiência da arquitetura como uma linguagem para sair do lugar comum. Ele acredita que uma cidade é melhor compreendida se explorada como um organismo vivo. A experiência popular e cultural são fundamentais para a  arquitetura. Seu trabalho joga com a associação psico-geográfica entre o ambiente construído e o desejado.

A arte e a literatura pautaram vários projetos de Nigel, que incluem o The Wall, Noa´s Ark e The Art Silo, no Japão; o The National Centre for Popular Music e o Powerhouse, na Grã-Bretanha; e o Geffrye Museum, no Reino Unido.

Ao longo de sua carreira profissional, ele persegue o trabalho experimental que tem sido apresentado em um contexto de arte e design, incluindo exposições, como ArkAlbion, mostrado na Architectural Association, em 1984, Ecstacity, no mesmo local, e Mixtacity, na Tate Modern, em 2007.

Nigel Coates também é um prolífico designer de iluminação e mobiliário, com projetos para a Alessi, AVMazzega, Ceramica Bardelli, Frag, Fratelli Boffi, Poltronova, Slamp e Varaschin. Exemplos de seu trabalho são mantidos em coleções de museus em todo o mundo, incluindo o Victoria & Albert Museum, Cooper Hewitt e FRAC.

Gijs Bakker. O holandês Gijs Bakker tem formação em joalheria e design industrial. Seu nome ganhou projeção internacional quando fundou em 1993, ao lado da historiadora e crítica de design Renny Ramakers, o coletivo Droog Design, um movimento que começou de uma forma despretensiosa e acabou virando um marco na trajetória artística daquele país.

A primeira exposição do Droog Design reuniu 14 objetos feitos com materiais baratos ou até mesmo encontrados na rua, assinados por jovens designers. A coleção inusitada foi um sucesso de crítica e, nos anos seguintes, o coletivo ficou conhecido por suas inovações no uso de matérias-primas e possibilidades de interações com o usuário, sempre com um toque irônico. A parceria, porém, terminou em 2009, quando Bakker se desligou do Droog Design por discordar dos caminhos comerciais escolhidos por sua parceira.

Bakker é professor há mais de 40 anos em escolas, como a Universidade de Tecnologia de Delft, e viaja o mundo ministrando palestras sobre design. Suas obras fazem parte do acervo de diversos museus, como o Victoria & Albert, em Londres, a Galerie Ra, em Amsterdã, a Galeria Helen Drutt, em Nova York e a Galeria Deux Poissons, em Tóquio. Ele também é co-fundador do “Chi ha paura…?”, coletivo italiano focado na criação de jóias com design que as elevam a mais do que apenas acessórios de moda.

 

 

EXPOSIÇÕES

 

 

 

DE FIO EM FIO/ Irmãos Campana

 

Esta primeira edição do Design São Paulo celebra os irmãos Campana como os “designers do ano”. Por isso, uma exposição de alguns dos trabalhos mais marcantes da dupla, assim como uma instalação especialmente criada para o espaço, sob curadoria de Maria Helena Estrada, mostra um pouco da trajetória de Fernando e Humberto.

 

Para incrementar a mostra, chegam especialmente da Itália, do Museu da Alessi, os protótipos da coleção Blow Up, que os irmãos Campana fizeram em bambu. Vale dizer que, desde que começaram a parceria com a Alessi, em 2004, a dupla enviava para a Itália os protótipos em escala real feitos de palitos de bambu, ao invés de um desenho técnico, que era uma maneira mais fácil e concreta de transmitir suas idéias. Hoje, as peças da icônica coleção Blow Up são comercializadas pela Alessi em aço inoxidável, mas a empresa conseguiu traduzir para o processo industrial o DNA dos Campanas.



INTERWARE DESIGN TRANSVERSAL/ Maurizio Galante e Tal Lancman

Esta exposição chega ao Brasil depois de passar pela França e Itália. A dupla de designers ítalo-israelense desenvolveu esta mostra de design interdisciplinar, que vai da moda ao mobiliário, do paisagismo à arquitetura.

O trabalho de Maurizio Galante e Tal Lancman comunica uma mensagem que é particularmente significativa em tempos de passagem entre uma era e outra, onde este é convocado para reavaliar e redefinir o convencional. Na medida em que a filosofia da INTERWARE procura estabelecer um equilíbrio entre o industrial e a verdadeira tradição dos artesãos, a exposição apresenta um trabalho que utiliza tecnologia de ponta, resultando num design que celebra o melhor desses dois mundos.

De uma maneira generosa e demonstrativa, Galante e Lancman nos convidam a visitar seu mundo através de uma série de objetos e designs exclusivos – criados em uma linguagem específica, que ilustra todo o processo de criação, casando harmoniosamente o prosaico e o único.

Sobre os Designers

MAURIZIO GALANTE

Depois de estudar arquitetura na Universidade de Roma e moda na Academy of Costume and Fashion, Maurizio Galante trabalhou em colaboração com o fashion designer Roberto Capucci. Ele apresentou sua primeira coleção em Milão, em 1986, com o nome de “Maurizio Galante x Circolare”. Desde 1992, Galante apresenta suas coleções no calendário oficial dos desfiles de alta-costura de Paris, onde vive desde 1996. No ano seguinte fundou a marca “Maurizio Galante”.

Em 2003, Maurizio se juntou a Tal Lancman para formar a INTERWARE. Desde 2008, tem apresentado sua coleção de alta-costura como membro oficial do chamado “Chambre Syndicale de la Haute Couture”, um círculo fechado e exclusivo.

Suas criações estão presentes nos acervos dos museus internacionais mais importantes, além de participar de inúmeras exposições tais como Black in Fashion, no Museu Victoria & Albert, em Londres (1999), Ultranoir, no Magasins Printemps, em Paris (1999), Aristocratic Artisans,  na Ace Gallery, Nova Iorque (2000), e Design Takes on Risk, no MoMa, Nova Iorque (2005).

Recusando a ser rotulada ou submetida às noções restritas das “temporadas”, a criatividade de Maurizio Galante é expressa além da moda, do design, dos espaços internos e externos. Seu trabalho pode ser definido como um feliz casamento de contrastes entre a sofisticação e a discrição, rigor e poesia, tradição e inovação. Essas criações em diferentes campos são “objetos de desejo” e “peças interativas”, criadas para extrair emoções.

 

Tal Lancman: headhunter de tendências e designer.

 
Desde 1995, é editor e diretor criativo da revista VIEW TEXTILE, a revista pioneira do setor quando se trata de definir tendências, sejam elas cores, tecidos, moda, decoração ou marketing. Sua experiência em design e consultoria vem da atuação em diversos campos distintos, como moda, design, beleza e, até mesmo, vendas.

 

Tal Lancman expôs suas obras em diversos museus, como o Musée des Arts Décoratifs, o MoMA, em Nova Iorque, e no Triennale de Milão. Participou ainda de diversas exposições de design na França, Estados Unidos e Israel.

 

 

 

TOP XXI PRÊMIO DESIGN BRASIL

 

Esta mostra revela uma nova geração de designers. Trata-se de uma exposição de objetos e peças dos finalistas da premiação promovida pela Revista Arc Desig, abordando o design e as mais diversas conexões existentes.




Publicado por: Divina Proporção
versão para impressão    Envie esta matéria para amigos!

Publicidade
 
© 2015 Divina Proporção, Todos os Direitos Reservados | webmaster
desenvolvido por: Siglobal