|    home
  Bem-vindo!

Busca artigos por palavra chave




04/07/2012
 

Comportamento

Torta de chocolate não mata a fome

Abraham Shapiro é engenheiro, psicólogo, estudioso de modelos de gestão, marketing e vendas. É reconhecido como influente consultor e coach de empresários e líderes corporativos das maiores e melhores empresas do país. Como palestrante, faz questão de não ser showman, pois prima, apaixonadamente, pelo conteúdo e por ajudar as pessoas a transformar conhecimento em vivências práticas. Sua filosofia de trabalho, em uma só palavra, é “simplicidade”. É articulista do Portal HSM Management, do jornal Folha de Londrina, de O Diário de Maringá e de vários órgãos nacionais e internacionais de imprensa. Comentarista de negócios da Rádio CBN (Londrina e Maringá). Dirige o blog “Profissão Atitude” publica textos diários da área de negócios e autodesenvolvimento, o qual conta com mais de 35 mil assinantes.Recentemente lançou o livro Torta de chocolate não mata a fome, pela NVersus e deu esta entrevista exclusiva ao Divina Proporção.Com.

Imagem: Divulgação

Abraham Shapiro

 

Divina Proporção.Com – Como nasceu a ideia de fazer um livro sobre as falsas sensações de saciedade da vida?

Abraham Shapiro – Ao longo de vários anos como consultor e coach de pessoas, observei na prática algo a respeito de que já havia lido em uma das cartas de Carl Jung para Sigmund Freud: “O maior problema de cerca de um terço de meus pacientes não é diagnosticado clinicamente como neurose, mas resulta da falta de sentido de suas vidas vazias. Isto pode ser definido como a neurose geral de nossa época.” O que vi? Constatei que as pessoas carecem de um propósito, tanto na vida como no trabalho. Elas necessitam de uma razão que as alimente de forma contínua e substancial. Na falta disso, elas procuram algo que não tem o poder de “alimentá-las” de fato. Imagine alguém que se alimente de doces e tortas em lugar de uma refeição balanceada. Em pouco tempo ele estaria com sérios problemas de saúde. Esta é a minha inspiração para o título: “Torta de Chocolate não Mata a Fome”. Na verdade, tudo isso são “fugas”. Refiro-me aos vícios, drogas, apego desenfreado a posses e bens, glutonice e todos os demais problemas sociais que estão em evidência na mídia diariamente. Há um engano, no senso comum, de que todos os problemas da vida serão resolvidos com mais dinheiro, com um manequim menor ou com um guarda-roupa cheio de peças de grife. Muitos dos que assim pensam não sabem que nossos processos de autocompensação podem e devem ser trabalhados ao buscarmos, no íntimo de nós mesmos, o Ser Humano completo, o indivíduo, o indivisível, em todas as atitudes diárias. Nós temos uma alma. E esta alma se alimenta de propósito, e não de coisas.

Divina Proporção.Com – Como classificar as falsas e as verdadeiras sensações?

Abraham Shapiro – Tudo o que é feito com um objetivo e usando o critério da livre escolha, com consciência fundada em princípios e valores são verdadeiras sensações.

Divina Proporção.Com – É possível tirar proveito das duas?

Abraham Shapiro – Em tudo o que D-us criou há um bem. Ele é o bem em si mesmo. De Deus não procede o mal. Portanto, quando estamos ligados à Fonte (que é Ele), podemos ter benefícios mesmo quando tudo não parece bom a nossos olhos.

Divina Proporção.Com –  As falsas sensações devem ser bem  importantes, afinal, nasceu este livro?

Abraham Shapiro – Importante é conseguirmos obter autodesenvolvimento através de tudo, inclusive de nossas falsas sensações.

Divina Proporção.Com –  O que você quer ressaltar sobre o assunto?

Abraham Shapiro – Meu livro foi planejado obedecendo a dois princípios: ser simples de entender e fácil de ler. Seus conceitos, por outro lado, são profundos, com uma abrangência bastante ampla. Qualquer pessoa se sentirá “em casa” lendo-o, como se estivesse na companhia de um contador de histórias com moral e aprendizagem. É o que, aliás, muitos dos leitores testemunham a respeito dele. Veja o que alguns destes leitores testemunharam: “Eu já li tudo o que existe sobre motivação no mercado editorial brasileiro. Nenhum livro consegue produzir o resultado que Torta de Chocolate Não Mata a Fome produz.” (Marcos Julio Herfeld, 34 anos, Publicitário, de São Paulo). “A leitura do livro Torta de Chocolate não Mata a Fome é simples e profunda. Tocou-me com sua grande sensibilidade. Abraham Shapiro fala de um modo muito especial e novo” (Maria Clara Martins Efroni, 30 anos, Analista de Sistemas, de Campinas, SP). “Por que os livros são tão complicados? Falam muito, mas não dizem nada. Era assim que eu pensava até ler o livro do Dr Shapiro, Torta de Chocolate. Tenho lido sem parar e repetido a leitura de várias páginas de que mais gostei. Dei vários exemplares de presente a amigos meus. Tornou-se o meu presente oficial” (Rodrigo Henrique Dias Junqueira, 38 anos, Gerente de Vendas de Veículos Novos em uma concessionária, de Bauru, SP)

Divina Proporção.Com –   O que fazer para levar uma vida mais saudável? Existe algum modelo?

Abraham Shapiro – O meu livro, Torta de Chocolate Não Mata a Fome foi escrito para motivar os leitores a viverem suas vidas com um propósito, assim como seu trabalho e seus relacionamentos. Motivação é um conceito que ficou prostituído na prática em decorrência de tantos palestrantes caça-níqueis que apresentaram palhaçadas, algazarras e discursos concebidos no puro e simples positivismo como fórmula da felicidade perene. Nesta linha, motivação é uma ilusão inatingível. Cobraram verdadeiras fortunas por algo que hoje se tornou uma confusão na mente de muitas pessoas. Meu livro põe cada coisa em seu devido lugar: pessoas precisam de um objetivo e de um sentido para se sentirem motivadas a alcançá-lo. Mas isso não basta. Elas precisam se esforçar dia após dia para manterem isso. Sem esforço, não há recompensa alguma. Elas devem “estudar”, isto é, analisar cada fato, despertar a consciência a respeito de tudo o que lhes ocorre ou fazem. É um processo, uma jornada rumo ao aperfeiçoamento pessoal. Do que adianta apenas pensar positivo? Este mundo em que vivemos é o MUNDO DAS AÇÕES. Enquanto não se realizar algo de fato, nada acontece na realidade. E isso requer atitude, isto é, esforço. Já no trabalho, o que toda empresa pode fazer para motivar seus funcionários resume-se em ações objetivas – além de manter um ambiente respeitoso e psicologicamente saudável. O que quero dizer com ações objetivas? Treinar até a completa aprendizagem “o que eles devem fazer”, “como fazer”, “o padrão de desempenho que é esperado deles”, remunerá-los em conformidade ao mercado, pagá-los pontualmente, incentivar a realização de metas mensuráveis e, por fim, oferecer boas perspectivas de desenvolvimento em suas carreiras. O que passar disso é paliativo, e não frutifica com eficiência.

Divina Proporção.Com –   O que mais você quer falar sobre o livro?

Abraham Shapiro – Empresas que adotaram a prática da reunião dos colaboradores em pequenos grupos antes de iniciar a jornada de trabalho com a finalidade de promover o alinhamento de objetivos obtiveram seu maior comprometimento com metas, com os clientes e com o atendimento. Como elas fazem? Tenho visto várias modalidades destes encontros. Um dos mais efetivos em resultado é aquele em que o gestor reúne sua equipe por um tempo muito breve e a orienta sobre ações do dia sem aprofundamento de detalhes, mas com comentários objetivos que tragam esclarecimento sobre as dificuldades mais comuns e frequentes. Esta reunião acontece com tempo de duração pré-determinado e rigidamente respeitado – procedimento obrigatório que se converte em disciplina e educa as pessoas à melhor gestão do tempo. Um ponto considerável nas reuniões de início de trabalho é a inspiração. Como se promove inspiração? Um meio eficaz é a leitura de um texto de conteúdo significativo, que pode ser feita por um participante diferente a cada encontro, de modo que todos tenham a oportunidade de contribuir.  O chefe que inspira seu grupo é mais facilmente visto como líder. Por isso, é importante cuidar para que os textos utilizados não sejam de natureza religiosa ou firam as opções individuais dos integrantes. Um momento de inspiração visa ampliar a harmonia, a convergência de ideais e o entendimento dentro do grupo.  O meu livro Torta de Chocolate Não Mata a Fome foi escrito para motivar os leitores a viverem suas vidas com um propósito, assim como seu trabalho e seus relacionamentos. É o Vice Presidente de Comunicação e Recursos Humanos da Nestlé do Brasil, João Batista Dornellas, quem declara na apresentação do livro: “Torta de Chocolate não mata a fome é um livro cheio de aconselhamentos verdadeiros sobre dificuldades que nos podem surgir em diferentes épocas da vida. Poderá ser a chave que abre a porta de mudanças completas de quem o lê”.

Dicas de leitura

A didática é a arte de ensinar. Especificamente, é a parte da pedagogia que trata dos preceitos científicos orientadores da atividade educativa a fim de torná-la mais eficiente. Com o objetivo de contribuir com esse ofício, a lança o segundo volume da coleção Didática: Trabalhando a alfabetização emocional com qualidade. Escrito por Celso Antunes, assim como o anterior, o livro traz discussões importantes sobre a Alfabetização (ou Educação) Emocional em sala de aula. Segundo o autor, tal expressão, que não é nova, se fortaleceu nos Estados Unidos, particularmente na Califórnia, em alguns países europeus e, há mais de vinte anos, em escolas públicas ou particulares de diferentes pontos do Brasil.

Calixto, o protagonista de Deus foi almoçar, é um homem comum. E, como milhões de homens comuns, ele acorda cedo todos os dias para fazer parte do labirinto da vida cotidiana. Mas não é exatamente isso – ou apenas isso – que está no novo romance de Ferré, pela Editora Planeta. Dividido em duas partes e com um total de 55 capítulos de títulos sugestivos (Eu vivo dentro do sonho de outro; Sabe, moço, eu nunca fui brincada; e O nome do filme era pesadelo são apenas três deles). O novo livro de ficção de Ferréz segue a rotina pouco animadora e repleta de devaneios do anti-herói Calixto. O personagem principal é um homem de meia-idade que vive na periferia de uma grande metrópole (possivelmente a São Paulo natal do autor) e separado da filha e da ex-mulher, ao mesmo tempo em que preso a um trabalho burocrático, repetitivo e sistemático como arquivista. Sem que Calixto queira, tudo começa a não fazer mais sentido em sua vida. E, um tanto anestesiado, parece não saber mais como reagir – se é que ele quer buscar alguma mudança. Suas tentativas logo se mostram infelizes, e sua conformação incomoda, embora ele tenha à frente um “portal” para mudar tudo.


Quem nunca sentiu como se tudo estivesse dando errado? Ou como se esses erros fossem de sua própria responsabilidade? Em Ele escolheu você... apesar de tudo e Nos Braços do Pai, Joel Sinete ensina a reestabelecer uma boa relação com Deus após uma série de atitudes equivocadas e relembra o leitor que, apesar de tudo, Ele continua ao seu lado. O autor tomou como base algumas angústias do ser humano para escrever seus livros.


Publicado por: Divina Proporção
versão para impressão    Envie esta matéria para amigos!

Publicidade
 
© 2015 Divina Proporção, Todos os Direitos Reservados | webmaster
desenvolvido por: Siglobal